O exercício de fazer da casa um intervalo na agonia do mundo - Brasil News

Brasil News

Colunista

O exercício de fazer da casa um intervalo na agonia do mundo

Em casa

 

por Roberta D’Albuquerque

Você abre a porta, tira os sapatos, ainda no corredor, senta no sofá na pior de suas posturas e suspira aliviado. Está em casa. É ali, que é possível abrir o botão da calça depois do jantar, tomar banho com a porta aberta e seguir de pijamas até o meio dia de sábado. Se não é, deveria.

Foto: Freerange Stock

É preciso que se tenha esse lugar. Um lugar para ser em versão completa, sem filtros. O exercício de fazer da casa um intervalo na agonia do mundo, nos sinais quebrados, nos dias de chuva quando se esquece o guarda-chuva, no escritório de um trabalho que já não alegra, na reunião que você preferia não estar, é grande, im

portante. Repõe o fôlego para o programar e desprogramar do despertador. Claro que é. Embora a psicanálise nos ensine que aquela outra muito engraçada, que não tem teto, não tem nada é a casa que deveria estar na nossa mira.

Obstáculos para conquista-la não nos faltam a começar pelo maior deles, ela não tem chão. Ainda assim com dois nãos na frase que sugere entrada, a casa sem paredes merece visita. A casa sem parede somos nós. E sem parede não significa sem limites com o mundo, mas com a possibilidade de ser versão completa até na agonia do mundo. Somos um lugar. E é preciso que se ocupe esse lugar. Mala, cuia, fotos na parede, cachorro e gato.

O convite para agosto que marca a metade do ano, a metade de um caminho é fazer do meio começo. Abrir a porta, entra e ficar. Cada vez mais presente, cada vez mais botão desabotoado, cada vez mais em casa.

 

Roberta D’Albuquerque é psicanalista e escreve sobre maternidade e infância para diversas publicações brasileiras.

 

To Top